Other Languages

domingo, 4 de dezembro de 2016

FA Cup. Wimbledon garante apuramento com quatro golos nos últimos dez minutos

2ª eliminatória

Curzon Ashton 3 AFC Wimbledon 4

Golos: Morgan 3 - Elliott 2, Barnett, Poleon

O futebol inglês é pródigo em jogos com muitos golos, sendo que, as reviravoltas também são uma imagem de marca, como se viu no Bournemouth-Liverpool nesta ronda da Premier League. 

Neste fim-de-semana a segunda eliminatória da Taça de Inglaterra proporcionou mais momentos que ficam na memória dos clubes, jogadores e dos adeptos, mas também são registados com entusiasmo pela comunicação social.

O modesto Curzon Ashton que actua na Conferência Nacional recebeu o Wimbledon que joga na League One. 

O desafio começou logo com o golo de Morgan no primeiro minuto. O jogador marcou mais dois golos até aos 62, provocando euforia no Tameside Stadium porque era mais um resultado positivo alcançado por uma equipa de menor valor perante um adversário mais forte. 

A festa já estava a ser preparada pelos locais, mas a emoção estava mesmo guardada para o fim. Nos últimos dez minutos, o Wimbledon operou a reviravolta ao fazer quatro golos aos 80, 81, 82 e 92 minutos. Os golos que deram o empate saíram dos pés dos jogadores visitantes como se fossem rajadas, sendo que, nos descontos ainda houve tempo para evitar o empate, o que significava novo desafio entre as equipas para desempatar a eliminatória. 

No relvado do Tameside Stadium houve surpresa, emoção, drama e espectáculo que só pode ser oferecido por um desporto apaixonante como o futebol. 

Liga NOS. Experiência dos visitantes permitiu mais um empate importante

12ª jornada

Vit.Guimarães 1 Desp.Chaves 1

Golos: Hernâni - Patrão
MVP: Hernâni - Patrão

Os vimaranenses prometeram nova exibição de luxo após o golo cedo de Hernâni, mas os flavienses roubaram protagonismo à medida que o jogo se ia desenrolando.

O poder ofensivo e do meio-campo dos anfitriões ainda não é suficiente maduro para conseguir uma sucessão de vitórias que permita andar nos primeiros lugares com os quatro grandes. A qualidade é evidente, mas o técnico Pedro Martins tem de trabalhar a equipa sob alguns resultados menos positivos como é o empate em casa frente ao Desp. Chaves. 

A experiência do miolo flaviense com Braga, Battaglia e Assis começou a ganhar sobre o meio-campo adversário. A partir daí as oportunidades surgiram até Patrão estabelecer a justa igualdade. Tem sido por causa desta forma de jogar que o Desp.Chaves consegue bons resultados.

A divisão de pontos mantém as duas equipas mais perto da luta pelas competições europeias que dos lugares de despromoção, sendo que, será entre os dez primeiros que vimaranenses e flavienses vão andar durante todo o campeonato.

Liga NOS. Arouca em ascensão e Feirense perto da zona de despromoção

12ª jornada

Feirense 0 Arouca 2

Golos: Nelsinho, Walter Gonzalez
MVP: Ricardo Dias - Walter Gonzalez

O Arouca conquistou a segunda vitória consecutiva, estando de regresso à forma da temporada passada, traduzindo-se na décima primeira posição no campeonato. 

Os visitantes dominaram o encontro como quiseram, embora só tenham chegado aos golos na segunda parte. No entanto, o segundo tento chegou 15 minutos depois de Nelsinho ter aberto o marcador em Santa Maria da Feira. 

O Feirense não vence desde a quinta jornada, tendo apenas mais dois pontos que a zona de despromoção. Uma queda gigantesca de uma formação onde nem sequer Karamanos tem espaço para brilhar.

Liga NOS. Lei do empate continua a vigorar no Restelo

12ª jornada

Estoril 1 Belenenses 1

Golos: Bazelyuk - Abel Camará
MVP: Bazelyuk - Camará

Um derby da Linha com superioridade dos azuis do Restelo empolgados pelos dois empates consecutivos frente ao FC Porto, tendo mostrado bom futebol nas duas ocasiões. 

O Belenenses esteve sempre mais perto do primeiro golo porque tem melhores jogadores, sendo que, a ideia de Quim Machado começa a ficar consolidada, embora com altos e baixos devido aos erros dos jogadores, como aconteceu no tento do empate do Estoril. O trio de atacantes composto por Sturgeon, Gerso e Camará começa a dar frutos, sempre bem apoiados por André Sousa. 

Apesar da boa equipa, o Belenenses tem dois problemas. O primeiro é a falta de eficácia e o segundo tem a ver com a incapacidade de segurar a bola em alturas cruciais. Tudo isto tem custado pontos...

Antes do 0-1, houve duas bolas na trave da baliza do Estoril. A primeira por Sturgeon e a segunda na grande penalidade falhada por André Sousa. 

O empate não salva Fabiano Soares das críticas, mas o treinador do Estoril tem pouca matéria-prima. O Belenenses continua sem vencer, mas também não ganha, pelo que, as divisões de pontos levantam algumas questões. 

Liga NOS. Moreirense entrega novamente a zona de despromoção ao Tondela

12ª jornada

Moreirense 3 Nacional 1

Golos: Daniel Podence 2, André Micael - Salvador Agra
MVP: Daniel Podence - Salvador Agra

A derrota do Tondela permitia a uma das equipas sair da zona de despromoção, pelo que, havia a necessidade de dominar o jogo desde o apito inicial. O Moreirense aproveitou a troca de treinador e a vitória frente ao Feirense, além do factor casa, para mostrar mais força durante a primeira parte.

Os lances de perigo junto da baliza de Rui Silva sucederam-se com Podence e o regressado Boateng em destaque. Os dois eram os elementos que tentaram puxar os cónegos para cima, perante a incapacidade dos madeirenses em responder, embora o golo tenha aparecido aos 31 minutos pelo pé do jovem  André Micael. 

No segundo tempo, apareceram os golos que permitem a Podence ser uma das estrelas do campeonato e, por via disso, ter condições para regressar ao Sporting. O futuro do jovem também depende da forma como o Moreirense se comportar no campeonato. Neste momento, o jogador e a equipa estão em sintonia, mas ainda é cedo para se perceber os efeitos da chicotada. 

O Nacional tentava contrariar a qualidade do adversário com lances individuais, sendo que, só chegou ao tento merecido através de uma grande penalidade aos 88 minutos, confirmando a lanterna vermelha do campeonato ao fim de 12 jogos e sem possibilidade de ver luz à vista, mesmo com a vontade, entrega e alguma qualidade no plantel.

Premier League. Erro de Fellaini tira United das contas do título

14ª jornada

Everton 1 Manchester United 1

Golo: Leighton-Baines - Zlatan Ibrahimovic

Nem um grande golo de Zlatan Ibrahimovic em Goodison Park foi suficiente para o Manchester United conquistar a primeira vitória em três jogos. Os red devils não perdem, mas continuam sem alcançar os três pontos que darão maior tranquilidade e motivação aos jogadores. 

O tento do sueco veio numa altura importante como é a antecâmara do intervalo, mas no segundo tempo o Everton equilibrou a contenda. Por razões mentais, estratégicas ou ainda mais misteriosas o United voltou a sentir dificuldades para segurar um resultado que encurtava a distância para Manchester City e Liverpool, mesmo que o empate seja um ponto a mais relativamente aos rivais. 

O golo do Everton surgiu numa grande penalidade cometida por Fellaini. O belga continua a acumular asneiras em prejuízo da equipa. 

O técnico português pode continuar a dizer que é sempre superior aos adversários, mas no final de cada jornada as hipóteses de chegar ao topo é sempre menor. O título é uma miragem, sendo que, o próximo objectivo passa por tentar um lugar nas competições europeias da próxima temporada.

Premier League. Mais um jogo decidido nos descontos penaliza Liverpool

14ª jornada

Bournemouth 4 Liverpool 3

Golos: Wilson, Fraser, Cook, Aké - Emre Can, Origi, Mané

A liga inglesa proporciona momentos de excelência todos os fins-de-semana. O Liverpool tinha de vencer no terreno do Bournemouth para manter o Chelsea à mesma distância pontual e aumentar a vantagem sobre o City. 

O jogo parecia estar a decorrer conforme os planos iniciais de Jurgen Kloop, já que, aos 20 minutos o Liverpool marcou dois golos consecutivos por Origi e Mané, sendo que, Emre Can respondeu ao golo de Wilson através de uma grande penalidade no início da segunda parte. 

O resultado de 1-3 durou até aos 76 minutos, altura em que começou a derrocada da defesa do Liverpool por culpa própria, mas também devido à qualidade dos anfitriões que arrancaram a segunda vitória consecutiva. 

O Bournemouth também empatou em quatro minutos. Ou seja, os golos de Ryan Fraser e Steve Cook foram marcados aos 76 e 78 minutos, criando um sentimento de fraqueza no adversário. O pior estava para vir nos descontos com o tento da vitória por Nathan Aké. 

O esforço do Bournemouth merecia o empate, mas como foram os únicos que procuraram os três pontos, acabaram por ser recompensados.