Other Languages

sexta-feira, 28 de abril de 2017

A contratação totalmente falhada de Jorge Simão


O despedimento de Jorge Simão é uma situação natural tendo em conta o mau futebol praticado pelo Sp.Braga. 

A qualidade de jogo decaiu relativamente ao período de José Peseiro e o terceiro lugar rapidamente se transformou na quinta posição, estando mais perto de ser alcançado pelo Marítimo no sexto lugar do que ultrapassar o Vit.Guimarães e regressar ao quarto posto. 

As ideias de Simão servem perfeitamente em equipas como o Desp.Chaves que gostam de atacar pela certa, construindo uma barreira defensiva bem forte. Nesse capítulo, os flavienses eram sempre superiores aos adversários, pelo que, a classificação reflectia as boas estratégias adoptadas. 

O Sp.Braga tem jogadores de ataque, que preferem actuar em zonas adiantadas em vez de esperarem pela melhor oportunidade para alcançarem o alvo. Numa equipa com grandes pontas-de-lança e extremos com vocação ofensiva, a ordem nunca pode ser para jogar na expectativa. Nem mesmo Battaglia gostou de jogar em zonas recuadas...

O objectivo do antigo técnico para os bracarenses passava por utilizar a qualidade existente para surpreender o adversário sem sufocar ou pressionar o adversário porque desgastava a equipa sempre que era exigido defender. Os oponentes sentiram-se com possibilidade de explorar as fragilidades defensivas dos bracarenses, visto que o Sp.Braga raramente teve iniciativa de jogo. A procura pelo estilo directo também se revelou um fiasco. 

A oportunidade perdida em Braga, confirma que Simão não é nenhum treinador de topo devido às ideias pouco interessantes no plano desportivo. A nível do discurso também deixa muito a desejar.

A vitória de Abel sobre o Sporting no desafio seguinte ao despedimento de José Peseiro era um excelente argumento para se ter evitado mais um erro desportivo na era António Salvador. 

Notas da Semana

Homem-do-Jogo

Real Madrid e Barcelona - Os dois gigantes de Espanha proporcionaram um verdadeiro duelo de candidatos ao título na ronda anterior da liga espanhola. Nenhuma formação teve medo de arriscar, mesmo sabendo que uma derrota poderia significar o adeus ao título em termos anímicos. O melhor esteve guardado para a jornada realizada durante a semana onde cada uma marcou seis golos, mantendo-se coladas na classificação com 78 pontos. 

Nota Intermédia

Cristiano Ronaldo - O melhor do mundo alterna boas exibições com jogos discretos. Os três golos frente ao Bayern Munique podiam ser um grande mote para um jogo perfeito diante do Barcelona. Isso não aconteceu e o Real voltou a ficar dependente de Cristiano Ronaldo no ataque. O avançado português está a perder alguma velocidade, apesar de manter a técnica.

Fora-de-Jogo

Jorge Simão - O técnico entrou no Sp.Braga com um discurso ambicioso e positivo, mas saiu do clube antes do final da temporada. As opções do treinador nunca foram as melhores, sobretudo na forma passiva como abordava os jogos, sempre à espera de um milagre para marcar golos. O empate em casa diante do Marítimo foi o princípio do fim para Simão, que provou não ter ambição para treinar um grande clube, sendo que, o melhor é regressar a uma equipa em que pode lutar sempre pelo empate.

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Premier League. Citizens sem arte para ultrapassar mais uma barreira defensiva de Mourinho

26ª jornada

Manchester City 0 Manchester United 0


O ligeiro ascendente do City não foi suficiente para vencer a partida perante o adversário estrategicamente metido no meio-campo defensivo. O treinador José Mourinho decidiu que a melhor forma de manter a equipa fresca na fase decisiva da temporada era efectuar mudanças que garantisse um ponto. 

A maior parte das ocasiões pertenceu aos anfitriões, tendo Aguero criado a melhor num remate ao poste na primeira parte. Os restantes lances são bolas bombeadas para a área ou remates bem parados por De Gea. 

O trio do meio-campo, composto por Fellaini, Carrick e Ander Herrera tinha como única missão defender e dar a bola para os atacantes criarem jogadas individuais que pudessem resultar em golo. O problema é que Martial e Mhktaryan estiveram pouco tempo no meio-campo do City e Rashford ainda não tem pedalada para ser um génio à solta no ataque semelhante a Griezmann ou Gameiro. 

O City volta a pecar na construção do ataque. Nestas situações em que uma equipa defende com cinco defesas e quatro médios, o génio de Aguero é mais útil na linha ou atrás de um ponta-de-lança mais alto e finalizador. A mobilidade dos atacantes não consegue enganar as linhas defensivas com jogadores possantes. Curiosamente, neste tipo de desafios, Sterling, Sane e De Bruyne perdem influência. 

O empate revela a vontade de José Mourinho apostar na Liga Europa como a melhor via para chegar à Champions League da próxima temporada. O Liverpool sorriu perante a perda de pontos dos dois mais directos adversários na luta pelo terceiro posto, sendo que, o Arsenal também se juntou ao barulho e ainda tem menos dois desafios.

La Liga. Ben Yedder coloca andaluzes na luta pelo acesso directo à Champions

34ª jornada

Sevilha 2 Celta de Vigo 1

Golos: Correa, Ben Yedder - Iago Aspas

Uma vitória justa dos andaluzes, embora arrancada a ferros num lance protagonizado por Ben Yedder. O golo do número 12 decidiu o desafio, mas a grande alteração ocorreu com a entrada de Samir Nasri. O francês trata a bola como poucos e o Celta sentiu grandes dificuldades em travar o pequeno grande jogador.

Na história do jogo também fazem parte três bolas nos ferros da baliza dos galegos, sendo que, uma foi ao poste e duas à trave. Os remates ao ferro superior aconteceram na segunda parte e numa altura em que o Sevilha tinha encostado o Celta às cordas. Os galegos desiludiram pela falta de vontade atacante, mesmo sabendo que não terá hipóteses de regressar às competições europeias na próxima temporada, excepto se vencer a Liga Europa.

O único registo digno do Celta de Vigo é apenas o penalti transformado por Iago Aspas. 

O Sevilha dominou grande parte do encontro, embora sem grande qualidade no primeiro tempo. Na segunda parte a entrada dos jogadores mais decisivos, trouxe justiça ao resultado. Os andaluzes alcançaram o Atlético Madrid na terceira posição, mas perdem no confronto directo. 

O que interessa é a certeza que os dois clubes vão proporcionar uma grande luta até final.

La Liga. Real responde com boa exibição e muitos golos à vitória do Barcelona

34ª Jornada

Deportivo 2 Real Madrid 6

Golos: Andone, Joselu - James 2, Morata, Lucas, Isco, Casemiro

Os merengues também responderam com chapa 6 ao resultado do último fim-de-semana frente ao Barcelona. 

O Real aproveitou para descansar novamente as maiores estrelas, desde a baliza até aos avançados, tendo promovido o regresso de Varane e a manutenção de Marcelo no onze. A verdade é que James, Morata e Isco voltaram a confirmar que são jogadores de primeira linha.

A visita ao Riazor tinha o mesmo grau de dificuldade do que a recepção do Barcelona ao Osasuna, pelo que, não espanta o resultado. A exibição da segunda linha foi bem melhor do que noutras ocasiões em que Zidane decidiu poupar os melhores jogadores. 

O número de golos marcados não vai fazer diferença em caso de igualdade pontual entre Real Madrid e o Barcelona, mas os dois principais candidatos continuam a mostrar que são de outro planeta.

La Liga. André Gomes sela melhor exibição com dois golos

34ª jornada

Barcelona 7 Osasuna 1

Golos: Leonel Messi 2, André Gomes 2, Paco Alcácer 2, Mascherano - Roberto Torres

Os catalães seguraram a primeira posição com uma goleada sobre o último classificado. No primeiro jogo na liderança do campeonato, o Barcelona teve uma noite incrível com mais uma grande exibição de Leonel Messi. O argentino caminha tranquilamente para a liderança dos goleadores em Espanha e na Europa. 

Também é relevante destacar os dois golos do mal amado André Gomes. O português foi eficaz em duas situações perto da pequena área. A partir de agora os adeptos podem começar a ganhar respeito pelo número 21...

A goleada só se tornou possível na última meia-hora de jogo, já que, o empate do Osasuna aos 58 minutos ainda assustou o líder. 

O resultado foi gordo porque o adversário também já está às portas da segunda divisão.

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Premier League. Bomba de Eriksen evitou festa antecipada do Chelsea

34ª jornada

Crystal Palace 0 Tottenham 1

Golo: Eriksen

Um tiro fora da área de Eriksen deu três pontos importantes aos Spurs. No entanto, o triunfo em Selhurst Park esteve longe de ser fácil devido à atitude combativa e guerreira do Palace.

No primeiro tempo, houve alguma superioridade dos anfitriões que bombeavam bolas para Benteke, além de tentarem jogar pelo chão através de Zaha. A subida do antigo jogador do Manchester United impediu o Tottenham de atacar frequentemente e com qualidade. A maioria das iniciativas ofensivas eram protagonizadas por Delle Alli na esquerda. 

A segunda parte trouxe mais oportunidades aos visitantes, já que, a entrada de Sissoko deu mais versatilidade ao ataque. Nesta altura, o Palace também deixou de atacar, passando unicamente a se preocupar com a retaguarda. Apesar de mais pressão e bola na área, o Tottenham teve inúmeras dificuldades em jogar pelo chão, optando muitas vezes pelo jogo aéreo, mas Harry Kane não estava nos melhores dias. 

A única solução passou por uma invenção do craque dinamarquês. Eriksen resolveu um problema bicudo porque o empate significava o adeus ao título. O triunfo permite, pelo menos, ter uma vantagem de oito pontos sobre o terceiro classificado.